Trailer do documentário: "Banco dos Abrolhos: maior complexo coralíneo do Atlântico Sul"

noticia-doc-3x2

A utilização cada vez mais frequente da fotografia e filmagem científica nas pesquisas da Rede Abrolhos tem gerado produtos inéditos sobre Ciências do Mar no Brasil, especialmente sobre o Banco dos Abrolhos. O audiovisual é um recurso de linguagem pedagógica com poder transformador no entendimento de processos ecológicos em diferentes escalas temporais e espaciais, gerando dados primários para pesquisas e material base para o desenvolvimento de instrumentos de apoio didático nos diferentes níveis de ensino.

Ampliar a divulgação dos resultados das pesquisas científicas para o grande público é um dos objetivos da Rede Abrolhos. Por isso, em julho de 2016, na Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), realizada em Porto Seguro – BA, foi lançado o documentário Banco dos Abrolhos: Maior Complexo Coralíneo do Atlântico Sul. Durante a programação oficial do CNPq no evento, o Prof. Hernan Chaimovich, presidente do CNPq, mediou um debate após a exibição do documentário, criando oportunidade para o diálogo entre os coordenadores da Rede Abrolhos e o público interessado nos detalhes das pesquisas de longa duração desenvolvidas pelo PELD Abrolhos. A plateia também se mostrou sensível aos desafios da conservação marinha no Brasil, em especial no Banco dos Abrolhos.

Após um breve circuito de exibições públicas, o documentário será disponibilizado no canal da Rede Abrolhos no YouTube, onde já está disponível o trailer, que transmite brevemente a importância e dimensão do Banco dos Abrolhos.

O curta-metragem de 27 minutos, Banco dos Abrolhos: Maior Complexo Coralíneo do Atlântico Sul, traz já no título a singularidade de uma porção da plataforma continental brasileira responsável por expressiva produção pesqueira e significativo sequestro de carbono em escala global. Captado pelas lentes de cinegrafistas profissionais, biólogos marinhos e oceanógrafos, o vídeo revela o intrincado mosaico de megahabitats estudados há mais de uma década pela equipe multidisciplinar da Rede Abrolhos.

Assista aqui.